Campanha de combate ao trabalho infantil em Paragominas

Ações têm início em junho, mês que marca o Dia Internacional Contra o Trabalho Infantil, celebrado no dia 12

Começou hoje em Paragominas, dia 1º de junho, e segue até o dia 9, a programação alusiva à Campanha Nacional “Diga não ao trabalho infantil”, que tem como principal objetivo conscientizar famílias, sociedade civil, governo, instituições de atendimento, igrejas, universidades e mídia, convidando-os a participar da luta em defesa dos direitos de crianças e adolescentes, no que diz respeito à prevenção ao trabalho precoce e o fim da exploração do trabalho infantil e proteção do adolescente trabalhador.

Segundo a Secretária de Assistência Social de Paragominas, o apoio da população nessas ações é fundamental. “A ação é importante para que a população perceba o quanto perdemos ao apoiar o trabalho infantil, pois muitas crianças se evadem da escola ou seu rendimento é baixo, além de problemas de saúde.”

Dentro da programação estão previstas entrevistas nos meios de comunicação, palestras nas escolas municipais, nos serviços de Convivência, caminhada com apresentação lúdica e culminância na Praça Célio Miranda. Hoje acontecerá o “Pit Stop”, com distribuição de panfletos e cartilha de orientação sobre o trabalho infantil para a comunidade e com a rede intersetorial do Sistema de Garantia de Direitos da Criança e Adolescente.

Bons resultados

O ano de 2016 se encerrou com boas notícias para o combate ao trabalho infantil, uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontou queda de 19,8% no número de crianças em situação de trabalho no Brasil. 

Em números absolutos, a maior redução aconteceu no grupo de 14 a 17 anos de idade, com 518 mil adolescentes a menos em situação de trabalho precoce. No entanto, as estatísticas aumentaram pelo segundo ano consecutivo, no recorte de 5 a 9 anos. Com isso, Paragominas em 2017 chega com novos desafios para a erradicação do trabalho infantil. 

Acidentes de trabalho

Segundo dados do Sistema de Informações de Agravo de Notificação (Sinai), do Ministério da Saúde, morreram no país 187 crianças e adolescentes com idade entre 5 e 17 anos durante o trabalho entre 2007 e 2015; 518 tiveram a mão amputada em acidentes laborais, num total de 20.770 casos graves de acidentes de trabalho envolvendo menores de 18 anos. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) calcula que 14,4% dos trabalhadores que atuam em atividades de alto risco no Brasil têm entre 15 e 17 anos. 

Venha fazer parte desta luta, confira a programação:

01/06: CRAS Jaderlândia 8h30 e às 14h30 e Pit Stop na Praça Célio Miranda às 17h

02/06: Escola Municipal Cinthia de Lira Moura às 17h

05/06: CRAS Camboatã 8h30 e 14h30 e Escola Municipal Castelo Branco às 16h

06/06: Escola Municipal Reginaldo Souza Lima às 16h

07/06: Escola Municipal Maria Luiza Barros Lima às 15h

08/06: Casequinha 8h30 e às 14h30 e Escola Municipal Maria da Silva Nunes às 16h

09/06: Escola Municipal Arnaldo Manoel Fernandes às 15h40