Paragominas apresenta experiência de compostagem em Florianópolis

Quem esteve representando Paragominas em Florianópolis/SC esta semana, foi a equipe da Secretaria de Assistência Social (Semas) apresentando o modelo de compostagem de resíduos orgânicos que acontece nos residenciais Morada do Sol e dos Ventos. 

O evento “Integrando Revoluções" reuniu representantes da Revolução dos Baldinhos de Florianópolis, junto com outras duas experiências de Gestão Comunitária de Resíduos Orgânicos: a Cooperativa de Compostagem de Paragominas do Pará e da Revolução dos Baldinhos de Macaíba do Rio Grande do Norte. Esse evento faz parte da programação do III Curso de Gestão Comunitária de Resíduos Orgânicos e Agricultura Urbana. 

“Temos orgulho em mostrar a nossa experiência com a compostagem de resíduos orgânicos e dizer que somos a única representação da região Norte do país. O nosso diferencial neste modelo, comparado com a ‘Revolução dos baldinhos’, é que a nossa compostagem é feita em um eco reciclador e temos um processo super rápido que dura de 14 a 16 horas”. Explica a assistente social, Rosilene Oliveira que hoje atua na política de assistência social de Paragominas. 

Sobre a Compostagem Comunitária de Paragominas 

A prefeitura de Paragominas através da Cooperativa de Trabalho com Compostagem de Paragominas (COOMPAG) desenvolveu no residencial um modelo de composteira de resíduos de alimentos, que é um sistema de reciclagem dos resíduos orgânicos em caixas modulares onde minhocas e microorganismos transformam restos de alimentos em adubos de excelente qualidade. 

Os residenciais Morada do Sol e Morada dos Ventos receberam duas composteiras de resíduos de alimentos e equipamentos para coleta seletiva de material por meio do projeto, aprovado e financiado pela Caixa Econômica Federal, em seguida os moradores receberam baldinhos para cada família colocar o seu resíduo orgânico de cozinha. Aí, cada bloco é de responsabilidade de um cooperado, que coleta 5 kg do resíduo de 2 em 2 dias para a seleção e separação na sala de coleta da cooperativa. 

Depois disso, o resíduo orgânico (cascas de frutas, verduras, sobras de alimentos, etc) é pesado e transformado em adubo. Só isso. é pesado e colocado em bombonas de 50 kg, o resíduo é processado na composteira por 12 horas ininterruptas, produzindo 20 kg de adubo a cada 80 kg de alimento. Por fim, o adubo é embalado em sacos de 1kg para ser vendido em eventos do ramo agropecuário.