Nossa água de cada dia, quem consegue viver sem ela?

Antes de ir para o trabalho, muitas pessoas fazem verdadeiros rituais. Um, em especial, parece ser comum: tomar banho. Hábitos simples, como beber água, escovar os dentes e tomar banho só são possíveis com água, é óbvio! O que não é tão óbvio é que mais de meio bilhão de pessoas não tem acesso à água potável, segundo novo relatório da organização Internacional WaterAid, divulgado este ano.

Ah, mas você deve estar aí na sua casa pensando: o que eu tenho haver com isso? Tudo! Segundo a Secretaria de Recursos Hídricos do Ministério do Meio Ambiente, o Brasil contem cerca de 12% de toda a água doce do planeta! Não é água com açúcar para acalmar os nervos! É água doce, que serve para o consumo humano. São 200 mil microbacias espalhadas em 12 regiões hidrográficas, como a Amazônia – a mais extensa do mundo, sendo que 60% dela fica aqui no Brasil.

Ok, falamos de falta de água potável no mundo e o quanto o Brasil é abençoado por deter 12% da água doce do planeta. Falta falar que o governo brasileiro ainda não enxerga o saneamento básico e o abastecimento de água como uma prioridade nacional. O que existem no país, são ilhas, municípios que não só levam à sério a crise hídrica que não é apenas local, mas mundial, como transformam um igarapé em um mar de benesses. Paragominas é uma dessas ilhas. Em um pouco mais de 8 anos, saltou de quase 0 em rede de abastecimento para quase 100% de casas atendidas pelo sistema. Mágica? Longe disso.

Segundo conta o atual Prefeito, Paulo Tocantins, foi um grande desafio levar água potável para a população. Criar um sistema novo e moderno, começar do zero e lidar com a desconfiança até das pessoas foi um grande desafio. “Os investimentos em saneamento são altos. Tivemos de buscar recursos em outros lugares, como acessar programas federais. Também tivemos de investir com recursos próprios e mostrar que não era só a água que chegaria pelo cano das casas, mas saúde”, conta Tocantins. Ele fala também que os primeiros anos, a taxa de doenças gastrointestinais, como diarreia e outros males diminui vertiginosamente, principalmente em crianças.

E o Prefeito tem razão. Segundo a Fundação Nacional da Saúde (FUNASA), a cada R$ 1 investido por governos em saneamento básico, economiza-se R$ 4 em custos no sistema de saúde. Isso porque diminui-se as doenças de veiculação hídrica, como a diarreia e a esquistossomose. Diminuindo as doenças, a mãe deixa de levar o filho com desinteria ao médico.

É uma conta simples e que Paragominas entendeu. Há 5 anos, a Sanepar – Agencia de Saneamento de Paragominas iniciou os investimentos em esgotamento sanitário e hoje, a cidade já é a segunda com o maior índice de esgotamento do Pará. Em apenas 8 anos, a rede cresceu de 60 mil metros para 280 mil metros entre redes secundárias e adutoras, com isso saltou-se de 7 mil clientes para 25 mil casas atendidas. Com frota própria, hoje está fazendo grandes investimentos na implantação da estrutura que compõe o plano de contingência, o qual se extinguirá a possibilidade de faltar água na cidade em intervalos maiores que 48 horas.

Paragominas foi a segunda cidade do Estado a aprovar o Plano Municipal de Saneamento Básico, que contempla as populações urbanas e rurais, promovendo ações de abastecimento de água em quantidade e dentro dos padrões de portabilidade vigentes; o manejo sustentável dos esgotos sanitários e dos resíduos sólidos, exceto o industrial; o controle ambiental de vetores e monitoramento de reservatórios que possam reproduzir os transmissores de doenças, entre outras.

São números expressivos que chamaram a atenção da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, Seção Pará. E da atenção ao reconhecimento foi apenas um passo. E é por isso que a Prefeitura de Paragominas, por meio de sua Agência de Saneamento, vai receber nesta quinta-feira, dia 17 de agosto, em Belém, o premio “Empresa padrão de Saneamento”. E quem recebe é o Prefeito Paulo Tocantins, que está mais orgulhoso que feliz com a honraria.

“Em Paragominas desmitificamos os investimentos em saneamento, que diziam ser obras feitas embaixo da terra e que por isso, a população não reconheceria porque não iria ver. É gratificante ver que nossa população não só está feliz em ter água tratada e de qualidade como pede para que o serviço chegue também na zona rural. E, com quase toda a zona urbana coberta, estamos partindo para o campo, levando também água de qualidade para as localidades rurais de Paragominas e mais saúde à todos”, finaliza Tocantins.